Página de Walter Eudes

07/01/2012

Como e porque temos e não temos cinema

Filed under: Arquivo Geral — waltereudes @ 11:11

Há um contentamento intenso na arte pernambucana atualmente, também ocorre a nível nacional: a retomada do cinema. Foi difícil suportar uma sociedade de múltiplos interesses e múltiplos aspectos, como a sociedade brasileira, junto a específica pernambucana, sem cinema, sem fazer cinema próprio. Há décadas muitos setores econômicos, produtivos experimentaram uma modernização e até pós-modernização. Mas só há pouco, ao fim da primeira década no novo século, parece ter havido uma sinalização otimista desta força impressionante no dia a dia das populações mundiais: o cinema. De um prisma indústria, de outro arte. De um foco, expressão coletiva, de outro marca pessoal de grandes estrelas( atores, atrizes, diretores, diretoras, produtoras). Lazer ao certo, mas hoje, no século XXI e já há décadas, necessidade de indivíduos e grupos de indivíduos em exprimirem-se a outros grandes grupos e também a cada pessoa que busca no audiovisual oportunidade de enriquecer-se artística e culturalmente para melhor interagir no mundo cotidiano, de forma consciente, decidida, esclarecida e preferencialmente em cunho harmonioso, pacífico, solidário, construtivo e otimista. A este potencial inerente a qualquer arte e a qualquer obra de arte, vai juntar-se as demandas de sociabilidade do “ato expectador”, aquele de ir ao cinema; também o “projetar-se ao futuro” ou “projetar-se no futuro” – pois não há verdadeiro e verdadeira cineasta que não saiba que sua obra tem técnica de ser revista daqui há anos, décadas, quiçá séculos – portanto uma responsabilidade de afirmar ao futuro o perfil do presente. Ainda, e bastante requisitado hoje em dia: o cunho mercadológico, de força produtiva econômica, geradora de diversos empregos diretos e indiretos. A tudo some-se o lazer, precisão inerente ao ser humano. Então que “vivas!” e mais “vivas!” damos ao nosso cinema retomado. Ele de fato está acontecendo. Escolas específicas, inclusive de nível superior; editais públicos, festivais, reaberturas de salas com privilégio à produção regional e nacional… Porém, vai instaurar-se um paradoxo que mortifica o cinema brasileiro em geral e sem dúvida o cinema regional, em especial o pernambucano: é arte restrita. Onde ainda há muito o que se fazer em uma etapa decisiva de sua estrutura, que inclusive pode marcar toda uma tônica de conteúdo e tendência estética das produções: a distribuição e exibição. Parece haver um “break” neste momento final da obra cinematográfica. É uma incongruência com a própria estrutura da “arte mais democrática que há”, no dizer de alguns teóricos. Porque é o cinema “arte de massa”, de grande público que a usufrui de uma só vez, é inerente a sua técnica. Nos deparamos então com um “cinema para quem faz cinema” geralmente, e o grande público não usufrui de tanta obra belíssima produzida no país e no estado. Portanto, sem grande público, este cinema ainda não existe. Talvez coubesse protelar os gritos de vitória da retomada da 7ª arte para quando o grande público estivesse de fato a presencia-la, uma árdua luta que necessita de empenhos múltiplos de toda a sociedade.

* * *

Gravação de audiovisual em Limoeiro(PE) – 2010    *    foto: João Paulo

Anúncios

Deixe um comentário »

Nenhum comentário ainda.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe um comentário, crítica ou sugestão.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: