Página de Walter Eudes

19/06/2012

De Ciranda e um Cirandeiro

Filed under: Arquivo Geral — waltereudes @ 11:33

Você pode aproveitar uma boa Ciranda nos festejos juninos em qualquer lugar Nordeste a fora… É dança típica brasileira, com maior manifestação no Nordeste, especialmente no litoral. Tem origem secular. É mescla de culturas milenares: ameríndia, africana e europeia. Traz a dança junto com o canto. Sua característica essencial é que pratica-se unicamente em grupo que estará de mãos dadas em forma circular em cadenciado ritmo marcado por instrumento percussivo, geralmente tambor acompanhado de tarol- instrumento este mais recente, moderno. Raro é o participante de “roda de ciranda” que em algum momento gratificante não solte um sorriso, talvez dada simplicidade dos passos, da dança, também simplicidade da melodia que tem pouca variação: contagiante. Mas se simples, não pobre, a Ciranda traz clara estrutura ancestral milenar, impregnada de primitivismo de civilizações que se mesclaram e formaram a Brasileira. Do círculo que se forma numa ciranda, só não entra quem não quer. É manifestação de fortíssimo cunho de identidade cultural das gentes que a vivenciam, haja visto ser praticada há alguns séculos. Sua música traz em letra situações cotidianas da gente que a esculta, que a dança… serve, assim como o Coco de Roda, como crônicas da coletividade que a desenvolve. Da dança circular, provavelmente não há parte do Globo Terrestre em que o ser humano não a faça, especialmente nas formas culturais datadas de forte milenaridade. Na área política-geográfica Pernambucana tida por Zona da Mata, vê-se a magnitude de poetas cirandeiros como José Galdino e João Limoeiro- mestres amadurecidos que impressionam até ao mais leigo e desinteressado observador. Mas dezenas e dezenas são aqueles e aquelas que fazem a ciranda ser para o público um motivo de felicidade. Destes está Belo Cirandeiro (foto-2010), Limoeirense de que não há festejos juninos que possa lhe ignorar. Se você nunca dançou ciranda, falta-lhe uma boa parte de alegria, confraternização com sua coletividade, com sua estação chuvosa que surge, com alimento milenar básico que está em colheita – o milho, falta-lhe um pouco mais de Pernambuco, de Nordeste, de Brasil.

Belo Cirandeiro – na Ruda da Gameleira 2012

Por: Walter Eudes

Anúncios

Deixe um comentário »

Nenhum comentário ainda.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe um comentário, crítica ou sugestão.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: