Página de Walter Eudes

20/06/2013

Marranos e Malungos

Filed under: Arquivo Geral — waltereudes @ 02:25

Dois termos não tanto conhecidos do vocabulário trivial de muitos dos leitores: de Marrano chamava-se a mouros e judeus ibéricos dos séculos XV ao XVII  que à força foram convertidos ao cristianismo, de Malungo cumprimentavam-se mutuamente os nativos africanos em língua própria, também por esta época e que tem por fiel tradução a palavra portuguesa companheiro. Africanos escravizados e ibéricos expatriados tiveram uma mesma sina e porto: colonizar as novas terras, um novo continente. O Nordeste Brasileiro foi dos setores geográficos mais promissores do Novo Mundo, figurou por mais de dois séculos como empresa agrícola rentável financeiramente, a fabricar e comercializar especiaria caríssima e muito procurada: o açúcar. Tudo economicamente girou em torno deste produto que encontrou na região solo propício e utilizou-se de mão de obra escrava para produzi-lo em larga escala e a baixo custo. Misturaram-se numa mesma geografia econômica então, estes grupos étnicos específicos e naturalmente intercambiaram seus saberes milenares, esperanças futuras e as dores de um sofrer em comum: o banzo. Do que é o resultado dessa miscigenação trazemos muito hoje no dia-a-dia do modo de ser e viver nordestino, pernambucano, brasileiro: não há campo desta cultura, de vida social que, somando-se aos antigos nativos, não contenha um pouco ou muito de Marrano e um pouco ou muito de Malungo (África e Península Ibérica). Entender o que há de específico em cada grupo etnicorracial descendente brasileiro pode ser uma atividade antropológica e histórica louvável, vez que vem a fortalecer genuínas culturas, tradições originais, mas por ser praticamente uma condição da brasilidade o miscigenar, é sempre inevitável a interação e encontro com outros grupos etnicosraciais. No Pernambuco, Nordeste e Brasil de hoje, das políticas públicas e/ou sociais em defesa  da identidade de específicos grupos etnicosraciais, talvez possa haver a percepção desta comum condição dos antigos Marranos e Malungos: viver e morrer fora do solo nativo, fato que ao certo contribuiu a promover entre estes, estreitos laços sócio-culturais. Deste foco antropológico, étnico e histórico aqui proposto há muitíssimo o que se abordar e, como bem sabe-se, muitas são as possibilidades comparativas dos grupos formadores da brasilidade, ou seja, múltiplas outras combinações podem ser propostas ao melhor entendimento da cultura regional, da cultura brasileira. O intercâmbio cultural iniciado no Brasil há cinco séculos parece ainda está em curso, sem ter-se esgotado, embora sedimentado. E de tão amplo que abarca – três continentes ao menos – é de fato o maior feito de miscigenação criado na história humana moderna, inclusive a forjar, como outras vezes dito, uma nova civilização nos trópicos.

Walter Eudes
Comunicador Social
waltereudes@gmail.com

Anúncios

Deixe um comentário »

Nenhum comentário ainda.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe um comentário, crítica ou sugestão.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: